Tendências em TI: Os empregadores que querem os grandes talentos em sua equipe de TI, precisarão abraçar a "Gig Economy"

Tendências em TI: Os empregadores que querem os grandes talentos em sua equipe de TI, precisarão abraçar a "Gig Economy"

MemberImage

Independentemente de seus segmentos na indústria, os Gerentes de TI são encarregados de acompanhar continuamente e responder rapidamente às tendências de desenvolvimento da sua área. Um número significativo dessas tendências não só afeta os empregadores, mas também a mão-de-obra.

A KELLY apresenta este relatório conciso sobre as tendências de mão-de-obra em que se esperam impactos significativos no gerenciamento de talentos na indústria de TI em 2017.

É a combinação de nossa própria pesquisa sobre necessidades e preferências dos trabalhadores com informações coletadas durante nossas conversas em com líderes de TI de empresas, podemos oferecer informações altamente práticas sobre o mercado de trabalho de TI para o próximo ano.

O ritmo rápido e a direção inversa da nova adoção de tecnologia

Muitas das tendências que vemos em TI compartilham um cenário comum: a taxa de indústrias e consumidores que adotam novas tecnologias continua crescendo mais rápido do que nunca. Atualização de software e aquisição de modelos últimas gerações tornou-se tão comum que os consumidores esperam ser notificados por fabricantes, logo que novas versões estejam disponíveis. Ao mesmo tempo, a nova tecnologia está sendo adotada inversamente.

No passado, os novos desenvolvimentos geralmente se originaram no setor público (por exemplo, nas forças armadas) antes da apropriação pelas empresas e, finalmente, pelos consumidores. Hoje em dia, muitos dos desenvolvimentos são conduzidos, em primeiro lugar, pelo consumidor.

Em 2017, haverá uma necessidade contínua de talentos de TI para projetar e desenvolver novas tecnologias, bem como de talentos para preencher posições de suporte ao cliente.

Uma proliferação de dispositivos e sistemas que são integrados com o IoT “Internet das Coisas”

Um número crescente de dispositivos e sistemas, para consumidores e organizações, serão interligados através da malha de dispositivos e integradas com a “Internet das Coisas”. A crescente necessidade desenvolver soft-and hardware com capacidades avançadas de conectividade, bem como para gerenciar esses sistemas integrados, vai agravar uma já existente falta de talentos de TI com essas habilidades e experiências.

Aumento no número de aplicativos

Aumento da conectividade resultará em um aumento da demanda por aplicativos. As organizações públicas e privadas precisarão de desenvolvedores de aplicativos e designers para racionalizar a forma que eles oferecem serviços aos seus clientes. Além disso, uma vez que 64% dos profissionais de TI valorizam acordos de trabalho flexíveis, um número crescente de desenvolvedores que especializarem-se no desenvolvimento de aplicativos provavelmente funcionará como contratados independentes. Isso significa que os empregadores que desejam acesso aos grandes talentos de TI precisarão abraçar a "gig economy".

A segurança deverá acompanhar os desenvolvimentos

À medida que a malha de dispositivos e a “Internet das Coisas” se expandem, a necessidade de projetar, construir e gerenciar sistemas seguros continuará a crescer.

De acordo com a FGV (Fundação Getúlio Vargas) o Brasil terá um smartphone em uso por habitante até o final de 2017. Atualmente, de acordo com a pesquisa, o Brasil tem também 162,8 milhões de computadores (entre notebooks, tablets e desktops) em funcionamento, em um crescimento de 5% na base instalada com relação ao levantamento de 2015. Até o final do ano serão 166 milhões de computadores em uso – o número inclui cerca de 33 milhões de tablets.

Além disso, com os crimes cibernéticos em ascensão, os consumidores precisarão de softwares de segurança cada vez mais robustos. Profissionais de TI que especializarem-se em segurança serão cada vez mais procurados por desenvolvedores de software de segurança e sistemas de segurança personalizada. As organizações também precisam de suporte de segurança dedicado, seja contratando pessoal de segurança virtual ou terceirizando essa função para empresas independentes de gestão de segurança.

A diferenciação de talento tecnológico mudará

O aumento da automação conduzirá outra mudança na diferenciação de talento, em combinação com a introdução contínua de novas tecnologias. Enquanto a automação reduz o número de empregos de baixo nível, também está criando uma demanda por talentos de nível médio para supervisionar seus processos.

Em grande medida, os empregadores precisarão treinar trabalhadores de TI para preencher estas funções, uma vez que a tecnologia provavelmente será parcialmente ou totalmente nova.

Agilidade do talento

Como um resultado de todas essas tendências, idealmente, os grupos de TI hoje devem trabalhar juntos em vários projetos ao mesmo tempo e depois dissolverem-se sem risco, permitindo uma mentalidade de "start up" dentro de uma organização.

É por isso que as empresas que pensam à frente incumbem equipes pequenas de talento especializado no desenvolvimento simultâneo de novos produtos.

Quando um produto decola, todas as outras equipes podem ser redirecionadas para se concentrar nesse projeto. Isso significa que os empregadores precisam de talentos técnicos e ágeis que possam seguir rapidamente na liderança em novos desenvolvimentos e no uso de tecnologias inovadoras para criar mais produtos.

O valor de um parceiro de mão-de-obra confiável

Com a crescente necessidade de melhores talentos de TI com uma grande variedade de habilidades, os empregadores estão reconhecendo o valor da parceria com uma empresa de recrutamento confiável que entenda as necessidades de mercado e tem informações sobre como o melhor talento de TI quer trabalhar. Esperamos que o nosso relatório de tendências da indústria de TI de 2017 seja útil para você.

Fontes:

Kelly Servives Global Article - 2017 industry trends for IT talent (Clique para Baixar)

28ª Pesquisa Anual de Administração e Uso de Tecnologia da Informação nas Empresas, realizada pela Fundação Getúlio Vargas de São Paulo (FGV-SP)